Pastoral Familiar

 

O Senhor te mostre o seu rosto e te conceda a paz!”
Nm 6, 26

 

A Pastoral Familiar é instituição da Igreja Católica para que esta, de forma organizada, ofereça instrumentos evangelizadores às famílias. É esforço pastoral que visa à defesa e à promoção do respeito à dignidade da família, seus direitos e deveres, enfatizando seu papel na constituição do indivíduo, da sociedade e da Igreja.

 

Foi estruturada a partir da Exortação Apostólica Familiaris Consortio, do Papa João Paulo II. Além desse, outros três documentos da Igreja regem e alimentam a ação da Pastoral Familiar no Brasil: Carta às Famílias, Evangelho da Vida e o Diretório da Pastoral Familiar.

 

A Pastoral Familiar deve sempre agir e orientar de forma responsável e acolhedora pré e pós matrimonialmente, olhando também para as famílias que se encontram em situações especiais.

 

Apontamentos sobre a Família


Nos textos abaixo, um breve apanhado das ideias desenvolvidas em duas palestras proferidas durante a Semana Nacional da Família, em agosto de 2014, na PUCRS, no Simpósio sobre a Família promovido pela Pastoral Familiar da Arquidiocese de Porto Alegre.

Dom João Calos Petrini, bispo de Camaçari, Bahia, na palestra “O Matrimônio e a Família no contexto da nova Evangelização”, lembrou que João Paulo II é o Santo Papa da família.

Relatou que, como a família, na atualidade, é considerada toda convivência debaixo do mesmo teto, ela nunca esteve tão fluida; quando separada do amor e da sexualidade, se aproxima da atividade produtiva, segundo a lógica do mercado, onde se avalia custos e prazos.

Na cultura do efêmero, o vínculo familiar pode amarrar atrapalhar... correndo-se o risco de que paredes seja construídas e separem ou dificultem as relações mais íntimas, como as de pais e filhos. Entende-se como o caminho para as drogas fica facilitado.

Atribuindo-se socialmente um valor menor para os aspectos importantes da família, ela é tida como um problema particular, relevante apenas para os afetos. Contudo, a família tem caráter suprafuncional, uma política familiar de qualidade é aquela que fortalece o vínculo.

Hoje, fazem parte da Pastoral Familiar “novas famílias”, formas novas de estruturação familiar, o que é um desafio para a consolidação da instituição “família cristã”.

Primeiro desafio – a redução do tempo para conviver empobrece as relações;

Passo – dialogar entre famílias, associações familiares, na tentativa de elaborar práticas para que o capital não domine a família a ponto de desconfigurá-la.

Segundo desafio – a difusão da mentalidade individualista;

Passo – o ser humano, existindo em relação, cultivar a consciência de pertença (à família).

Terceiro desafio – considerar a família mais um interesse, no meio de múltiplos interesses;

Passo – viver a família como vocação, como construção mais importante.

Quarto desafio – a pessoa ser vista somente como a função que desempenha;

Passo – cultivar relações com caráter de totalidade do ser.

Quinto desafio – a lógica do mercado, que faz prevalecer a utilidade, a vantagem. A pessoa sente-se credora de outros membros da família;

Passo – viver a família como o dom sincero de si.

Sexto desafio – a busca da satisfação individualista;

Passo – viver a reciprocidade.

Sétimo desafio – redução da solidariedade para com os parentes;

Passo – é a comunhão que gera o “nós”.

 

Dom Antonio Augusto Dias Duarte, bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro, em sua palestra “O Evangelho sobre o matrimônio e a família – o amor esponsal como fundamento do matrimônio e da família”, nos traz que Deus é uma família e que o matrimônio e a família são bens maiores da humanidade.

Não é qualquer afeto, diz ele, que constitui a relação matrimonial, bem afetivo que deve ser amadurecido através do amor.

O bem material é necessário, porém é preciso recuperar a visão de família desde Deus, pois é ela que influencia a sociedade e não o contrário. Dois são os sacramentos para o bem de todos: o matrimônio, pais educando filhos e vice-versa, e o sacerdócio, que torna visível o que as pessoas vivem no casamento.

Como projeto de Deus, casar e constituir família tem seis pilares:

  1. Que haja comunidade de vida – vida em comum;
  2. Estabelecimento de relação entre homem e mulher;
  3. Decisão livre de ambos;
  4. Caráter indissolúvel;
  5. Transmissão de vida, revertendo para o bem da humanidade;
  6. Ajuda recíproca em ambiente de gratuidade.

A nova evangelização consiste em evidenciar a beleza da vida em família. Evidenciar que o amor esponsal é abrir as relações de intimidade um para o outro. Em família o amor é fecundo, nem sempre fértil.

Evangelizar é construir uma cultura sadia de casamento, ensinar o amor fiel, a não terceirização da formação dos filhos.

A família traz benefícios à sociedade. Para que novas engenharias de famílias acontecem, tem-se atacado a mulher, pois é ela quem humaniza a sociedade.

A saúde pessoal envolve: Deus, o outro, eu mesmo e o mundo. Quando algum aspecto é ferido, tornamo-nos mais um, não alguém.

Vale a pena “ser” família, não “ter” uma família. O valor da família é de sempre!


 

Nosso lema: Na casa de Deus somos família.

 

Agimos para que as famílias sejam participativas, partilhem experiências e sejam capazes de se comprometerem com seus integrantes e com o bem comum. Por isso, nosso desafio é constante e exige integração. Somos pastoral ao encontro de outras pastorais.

 

Trabalhamos em equipe e entendemos que com diálogo, abertura e tomada de decisões conjuntas crescemos todos.
Fortemente ligados à pastoral catequética, dando continuidade à tarefa primeira da família de ser Igreja doméstica e missionária, auxiliamos na condução das crianças e adolescentes em sua formação cristã.

 

Buscamos conduzir os jovens à alegre e responsável preparação para o matrimônio. Cada noivo(a) é convidado(a) a participar da vida paroquial, a aprofundar sua formação cristã e a reconhecer-se como evangelizador. Então, como casal, dedicar-se plenamente à vida conjugal e familiar. Nas várias situações que possam enfrentar, oferecemos a oportunidade de aconselhamento, tendo como modelo a Família de Nazaré.

 

Nossas ações nos possibilitam cumprir o nosso apostolado na formação cristã das crianças e jovens e sermos para as famílias um recurso onde encontrem orientação para suas diversas e complexas situações.


•    Encontros com Pais dos Catequizandos e Festa Junina, atividades conjuntas com a Catequese;
•    Campanha “Nenhuma família sem Bíblia”, atividade conjunta com a Catequese;
•    Biblioteca da Boa Leitura, atividade conjunta com a catequese;
•    Encontros do Advento, atividade conjunta com a catequese e integradora das pastorais;
•    Liturgia do Domingo de Ramos, atividade integradora das pastorais;
•    Acolhimento aos casais que se preparam para o matrimônio.


 

•  Datas e horários das Reuniões de equipe da Pastoral Familiar: nas terças-feiras que antecedem o segundo domingo de cada mês, no horário das 20h, no Centro Catequético. Dias 05/03 (quarta-feira*), 08/04, 06/05, 03/06, 08/07, 05/08, 09/09, 07/10, 04/11 e 03/12 (quarta-feira*).

*(excepcionalmente na quarta-feira, devido ao carnaval e à preparação do Natal, respectivamente)

•   Missa das 18h30min do segundo domingo de cada mês, dedicada às famílias. 
•   Domingo de Ramos, liturgia com a participação de integrantes de várias pastorais – no dia 12/04, missa das 15h 30min e, no dia 13/04, missas das 7h30, 10h, 14h, 15h30, 18h  e 20h. 
•   Encontros de advento: atividade conjunta com a catequese e integradora das pastorais durante o mês de dezembro, nas semanas que antecedem o Natal.
•   Acolhimento aos noivos – na manhã do sábado que antecede ao casamento.

.   Apoio à catequese.

 


 

 

Equipe:

Ana e Vandré

Cássia e Luís Protásio

Cláudia e Adriano

Elizabete e Miguel

Maria Lúcia e André

Maria Helena e Léo

Michelle e Cristiano

Priscilla e Diego

Rita e Vanderlei

Tânia e Nilton

Sandra e Vilmar